sábado, 30 de novembro de 2013

Trilha Sonora de "A Lista de Schindler"

A Lista de Schindler” é um drama épico histórico dirigido por Steven Spielberg. O filme foi inspirado em a “Arca de Schindler”, do australiano Thomas Keneally. E foi lançado, em Washington, em 30/11/1993.

Capa de "A Lista de Schindler", filme dirigido por Steven Spielberg
Capa de "A Lista de Schindler",
Dirigido por Steven Spielberg

A Lista de Schindler” retrata a vida do empresário alemão Oskar Schindler. Ele foi responsável por salvar a vida de mais de mil judeus polacos durante o Holocausto, empregando-os em suas fábricas.


Locação, Trilha e Oscar
O filme foi rodado em Cracóvia, na Polônia. Steven Spielberg fez o filme em preto e branco. John Williams compôs a trilha sonora. O violinista Itzhak Perlman executou o tema principal de “A Lista de Schindler”.

Oskar Schindler Verificando a Lista
Oskar Schindler Verificando a Lista

O filme concorreu a 12 Oscar, vencendo em sete categorias: Melhor Filme, Melhor Direção, Melhor Roteiro Adaptado, Melhor Trilha Sonora Original, Melhor Fotografia, Melhor Edição e Melhor Direção de Arte.


Trilha Sonora
John Williams compôs a trilha de “A Lista de Schindler”. Impressionado com o filme, disse a Spielberg: “Você precisa de um compositor melhor do que eu para este filme”. Spielberg respondeu: “Eu sei. Mas eles estão mortos”.


sexta-feira, 29 de novembro de 2013

50 anos da Música "I Want to Hold Your Hand", dos Beatles

I Want to Hold Your Hand” é uma canção dos Beatles, composta por John Lennon e Paul McCartney. Foi composta em outubro de 1963, sendo lançada em 29/11/1963, no Reino Unido. Portanto, há 50 anos.

Os Beatles na capa do single "I Want to Hold Your Hand", lançado em 1963
Beatles - "I Want to Hold Your Hand" (1963)

I Want to Hold Your Hand” logo chegou ao primeiro lugar das paradas, no Reino Unido. Superou “She Loves You”, single lançado semanas antes. E foi a primeira canção dos Beatles a chegar ao primeiro lugar nos EUA.

I Want to Hold Your Hand” foi composta na casa da atriz Jane Asher, namorada de Paul McCartney na época. Foi uma grande parceria de Lennon e McCartney, com uma grande participação dos dois Beatles.


"I Want to Hold Your Hand" é uma das duas canções gravadas em alemão pelos Beatles. "She Loves You" foi gravada em alemão como "Sie liebt dich". "I Want to Hold Your Hand" foi chamada "Komm, Gib Mir Deine Hand".


Veja também...

Principais Obras de Jean-Baptiste Lully

"Tragédie-Liryque" (Óperas)
A maioria das óperas foi apresentada para a corte, no Teatro do Palácio Real. Na maior parte delas, o libretista foi Philippe Quinault.
"Cadmus et Hermione" (1673) – esta ópera, a primeira parceria de Lully e Quinault, foi filmada por Martin Fraudreau, em 2008.
"Alceste" (1675)
"Atys” (1676) – esta ópera fez parte do filme francês, de 1994, “William Christie et Les Arts Florissants” ou “La Passion du Baroque”.

Poster do Filme "Le Roi Danse"
Poster do Filme "Le Roi Danse"

Persée” (1682) – esta obra fez parte da trilha sonora do filme "Le Roi Danse", de Gérard Corbiau, lançado em 2000.
Phaeton” (1683) – esta obra fez parte da trilha sonora do filme "Le Roi Danse", de Gérard Corbiau, lançado em 2000.
"Armide" (1686) – esta obra foi usada como parte da trilha sonora do filme “Ária”, de Robert Altman, lançado em 1987.


Comédies-Ballets (Música para Teatro)
O gênero, também conhecido como “intermède”, foi criado em 1661. Em 1664, as intermèdes passaram a aparecer regularmente nas peças de Molière. Ao todo, eram seis: duas no início, duas no fim e uma entre cada um dos três atos. A maioria das peças foi encenada pela primeira vez para a corte real.
Les Fâcheux” (1661)
Les Plaisirs de l'Ile Enchantée” (1664)
L'Amour Médecin” (1667) – fez parte da trilha sonora do filme “Marquise”, de 1997, com Sophie Marceau.

O Filme "Le Roi Danse" é Dedicado a Jean- Baptiste Lully e Ao Rei Francês Luís XIV
O Filme "Le Roi Danse" é Dedicado a Jean-
Baptiste Lully e Ao Rei Francês Luís XIV

"Le Burgeois Gentilhomme" (1670) – a obra fez parte da trilha sonora do filme "Le Roi Danse", de Gérard Corbiau, lançado em 2000. A obra também aparece em "Os Irmãos Grimm", de 2005, com Matt Damon, Heath Ledger, Monica Bellucci. Já em 2009, a obra foi inteiramente filmada por Christian de Chalonge.
Psyché” (1671)
Idylle Sur la Paix” (1685) – esta obra fez parte da trilha sonora do filme "Le Roi Danse", de Gérard Corbiau, lançado em 2000.
"Acis et Galatée" (Pastoral Hëroique) (1686)


Balés de Corte
Os balés de corte de Lully derivam da música instrumental que ele compunha para o rei. Lully compôs aberturas, danças, peças instrumentais descritivas.
"Royal Ballet de la Nuit" (1653) – a obra fez parte da trilha sonora do filme "Le Roi Danse", de Gérard Corbiau, lançado em 2000.
"Ballet du Temps" (1654)
"Ballet des Plaisirs" (1655) – esta obra fez parte da trilha sonora do filme "Le Roi Danse", de Gérard Corbiau, lançado em 2000.

A Maior Parte dos Balés de Lully Foi Composta com Molière e para O Rei Francês Luís XIV
A Maior Parte dos Balés de Lully Foi Composta
com Molière e para O Rei Francês Luís XIV

"L'amour Malade" (1657)
“Royal Ballet d'Alcidiane” (1659) – esta obra fez parte da trilha sonora do filme "Le Roi Danse", de Gérard Corbiau, lançado em 2000.
"Ballet de la Raillerie" (1659)
"Ballet de Xerxés" (1660) – esta obra fez parte da trilha sonora do filme "Le Roi Danse", de Gérard Corbiau, lançado em 2000.


Petit-Motets
Provavelmente, Lully compôs os Petit-Motets para as freiras do convento Assunção.
"Anima Christi"
"Ave Coeli"
"Dixit Dominus"
"Domine Salvum"
"Laudate Pueri"

Cena do Filme Francês "Le Roi Danse"
Cena do Filme Francês "Le Roi Danse"
”O Dulcissime"
"O Sapientia"
"Regina Coeli"
"Salve Regina"


Grands-Motetes
Os grandes motetos eram escritos para a Capela Real. Lully usava os salmos, mas usou, também, textos do poeta neolatino Pierre Perrin.
"Miserere" (1664)
"O Lachrymae" (1664)
"Plaude Laetre Gallia" (1668)
"Te Deum" (1677) - esta obra fez parte da trilha sonora do filme "Le Roi Danse", de Gérard Corbiau, lançado em 2000.
"De Profundis" (1683)
"Dies Irae" (1683)
"Quare Fremurent" (1685)

Os Grandes Motetos Eram as Obras Sacras de Lully Compostas para a Capela Real
Os Grandes Motetos Eram as Obras Sacras
de Lully Compostas para a Capela Real



Veja também...
Biografia de Jean-Baptiste Lully
O Estilo Musical de Lully

quinta-feira, 28 de novembro de 2013

O Estilo Musical Jean-Baptiste Lully

Jean-Baptiste Lully produziu sua obra no período barroco, compreendido entre 1650 e 1700. A música barroca caracterizava-se pelo uso do baixo contínuo como força motriz. A música de Lully pelo poder e vivacidade dos movimentos rápidos e pelo profundo caráter emocional dos movimentos lentos.

Jean-Baptiste Lully: Mestre do Barroco Francês
Jean-Baptiste Lully: Mestre do Barroco Francês


A Contribuição de Lully

A influência de Lully produziu uma revolução no estilo das danças. No lugar dos movimentos lentos, o compositor introduziu os animados balés de ritmo rápido. Lully usava cinco instrumentos de corda: um violino, três violas, um violoncelo. Ele usou também cravo, órgão, oboé, fagote, flauta e percussão.

Jean-Baptiste Lully contribuiu também para a criação de vários gêneros musicais. Ele criou a “Comédie-Ballet”, com a colaboração de Moliére. Criou a “Ouverture”, depois usada por compositores franceses, como Charpentier, além de Bach e Haendel. Lully criou também as “Suítes” instrumentais.

Philippe Quinault e Jean-Baptiste Lully
Philippe Quinault e Jean-Baptiste Lully

Da colaboração de Lully com o dramaturgo francês Molière surgiu uma nova forma de música na década de 1660. A “Comédie-Ballet” combinava comédia, balé, teatro e música incidental. A grande popularidade destes jogos, com luxuosos efeitos especiais, auxiliou a disseminar a organização orquestral.


A Ópera de Estilo Francês

Lully criou também a "Tragédie-Liryque", a ópera de estilo francês. Lully e Philippe Quinault, seu libretista, concluíram que a ópera de estilo italiano era inapropriado à língua francesa. Alteraram a métrica dos versos, combinaram recitativos e árias e desenvolveram mais rapidamente a história.

Ou seja, Lully desenvolveu seu estilo musical conforme o gosto francês da época. Este era representado pelas “Piéces de Clavecin”, de Louis Couperin. A personalidade forte e o senso de oportunidade garantiram sucesso duradouro. Lully é, ainda hoje, considerado o grande mestre do barroco francês.

A Ópera "Alceste" (1675), de Lully e Quinault
A Ópera "Alceste" (1675), de Lully e Quinault

Devido aos balés, óperas e música instrumental, Lully costuma ser visto como um homem do palco. Porém, uma parte considerável de sua obra é destinada à música religiosa. Nela, destacam-se os motetos. Os “Grand-Motets”, mais pomposos, como o “Te Deum”, eram destinados às cerimônias reais.


Veja também...
Biografia de Jean-Baptiste Lully
Principais Obras de Lully

Biografia de Jean-Baptiste Lully

Giovanni-Battista Lully, filho de um moleiro pobre, nasceu em Florença, Itália, em 28/11/1632. E aprendeu sozinho a tocar violino. Aos 14 anos, foi levado à França para servir a Grande Demoiselle (Mademoiselle de Montpensier). Mas caiu em desgraça ao compor uma canção satírica à sua filha.

Jean-Baptiste Lully
Jean-Baptiste Lully Nasceu em Florença, em
1632. E Naturalizou-se Francês, em 1661.

Em 1653, Lully passou a trabalhar para Luís XIV, como dançarino. Logo se tornou o 1º Violino, por suas qualidades musicais e por sua amizade com o rei. Conduziu os 24 violinos da Grande Bande. Depois, formou o Petits Violons. Nas décadas de 1650 e de 1660, Lully compôs diversos balés para Luís XIV.


Naturalização Francesa e Comédie-Ballet

Em 1661, Giovanni-Battista Lully recebeu o título de cidadão francês. E mudou o nome para Jean-Baptiste Lully. Nesta mesma época, casou-se com Madeleine Lambert, filha do amigo e companheiro Michel Lambert. Mas a fama de libertino continuou acompanhando Lully a vida inteira.

Em 1664, Jean-Baptiste Lully criou a “Comédie-Ballet”. Para isso contou com a colaboração de Moliére, combinando a arte dramática do escritor com a sua própria arte musical. A parceria havia iniciado em 1661, com “Les Fâcheux”. O auge foi com a obra "Les Plaisirs de l'Isle Enchanteé".

Jean-Baptiste Lully compositor francês - sentado, compondo
Jean-Baptiste Lully Compôs Balés
com Molière e Óperas com Quinault

Porém, é inegável a influência italiana na criação da “Comédie-Ballet”. Muitas das personagens de Moliére e dos balés de Lully provêm da "Commedia dell' Arte". Até a instrumentação concebida por Jean-Baptiste Lully sofreu uma grande influência de compositores italianos, como Cavalli, por exemplo.


Ópera e Morte

Em 1672, Lully rompeu com Moliére. Nessa época, Luís XIV encomendou a Lully um gênero dramático que rivalizasse com a ópera da Itália. Então, em colaboração com o dramaturgo Quinault, Lully criou a "Tragédie-Liryque", combinando o balé francês com recriações da tragédia clássica.

Jean-Baptiste Lully foi designado diretor da Académie Royale de Musique, a Ópera Real. De 1673 até 1687, produziu quase uma ópera por ano. Lully, praticamente, possuía o monopólio do gênero. Porém, com a morte da rainha, em 1683, Luís XIV perdeu o entusiasmo pela ópera.

Partitura de "Gavotte" - Jean-Baptiste Lully
Partitura de "Gavotte" - J. B. Lully

Em 08/01/1687, Lully conduzia um Te Deum em honra de Luis XIV. Enquanto ele marcava o tempo com um bastão, acertou o pé, formando um abscesso. Logo este gangrenou. Como Lully se recusou a amputar o pé, a gangrena espalhou-se. Em 22/03/1687, o compositor acabou falecendo, em Paris.


Veja também...
O Estilo Musical de Lully
Principais Obras de Lully

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

“Assim Falou Zaratustra” de Richard Strauss

O alemão Richard Georg Strauss compôs “Assim Falou Zaratustra” inspirado pela obra do filósofo Friedrich Nietzsche. “Assim Falou Zaratustra” estreou em Frankfurt, em 27 de novembro de 1896.

Richard Georg Strauss: Compositor de "Assim Falou Zaratustra"
Richard Georg Strauss: Compositor
de "Assim Falou Zaratustra"

A introdução de “Assim Falou Zaratustra” tornou-se popular a partir de seu uso no filme “2001 – Uma Odisséia no Espaço” (1968), de Stanley Kubrick. A introdução é conhecida como “Sunrise”.

Assim Falou Zaratustra” é uma obra composta para execução por orquestra. Ela é constituída de nove sessões, que representam capítulos do livro de Nietzsche. Sua duração é de meia hora.



Assim Falou Zaratustra” em Filmes
2001 - Uma Odisséia no Espaço (1968) - de Stanley Kubrick
Uma Dupla em Sinuca (1970) - com Sammy Davis Jr. e John Wood
Muito Além do Jardim (1979) - com Peter Sellers e Shirley MacLaine
2010 - O Ano Em Que Faremos Contato (1984) - com Roy Scheider
Uma Dupla Quase Perfeita (1989) - com Tom Hanks
As Patricinhas de Beverly Hills (1995) - com Alicia Silverstone
Toy Story 2 (1999) - de John Lasseter
Magnólia (1999) - com Tom Cruise e Julianne Moore


Zoolander (2001) - com Ben Stiller e Owen Wilson
Seu Marido e Minha Mulher (2002) - com Charlize Theron e Patrick Swayze
A Creche do Papai (2003) - com Eddie Murphy e Anjelica Huston
Os Reis de Dogtown (2005) - com Heath Ledger
A Fantástica Fábrica de Chocolate (2005) - com Johnny Depp
Os Simpsons: O Filme (2007) - de David Silverman
WALL·E (2008) - de Andrew Stanton

Kid Abelha – Ao Vivo (1986)

Kid Abelha - Ao Vivo” é o primeiro álbum ao vivo do Kid Abelha. Foi lançado em 27 de novembro de 1986 e reuniu os sucessos dos dois primeiros álbuns de estúdio. O álbum trazia cinco músicas de “Seu Espião” e três de “Educação Sentimental”.

Capa do disco "Ao Vivo", lançado em 1986 pelo grupo Kid Abelha
Kid Abelha – Ao Vivo (1986)

O maior destaque, porém, foi a inédita "Nada Por Mim". "Nada Por Mim", composta por Herbert Vianna e Paula Toller, já havia sido gravada por Marina Lima. Ganhou novos arranjos. E chegou ao lugar no Brasil Hot 100 e no Brasil Hit Parede.


Kid Abelha - Ao Vivo” foi lançado também para frear os boatos de que o grupo havia acabado. Afinal, essas eram as especulações após a saída de Leoni, em 1985. Leoni, o principal compositor, saiu após o lançamento de “Educação Sentimental”.



terça-feira, 26 de novembro de 2013

Igreja Nossa Senhora Mãe dos Homens, Urubici

A Igreja Matriz Nossa Senhora Mãe dos Homens foi inaugurada em 1973, oito anos após o início da construção. Construída em forma de cruz, ela é uma das maiores do estado. E chama a atenção pela arquitetura diferenciada.

Igreja Nossa Senhora Mãe Homens, Urubici
Igreja Nossa Senhora Mãe Homens, Urubici

A igreja possui quatro frentes, simbolizando a igualdade social. Assim, a fachada é replicada nas outras três faces do templo. Os vitrais coloridos em ziguezague, no interior da matriz, representam a fé elevada ao céu.

Na cúpula, fica uma imagem de Nossa Senhora Mãe dos Homens, padroeira da cidade de Urubici.

Interior da Igreja Matriz de Urubici
Interior da Igreja Matriz de Urubici

A igreja foi idealizada pelo padre José Alberto Gonçalves Espíndola, sepultado no interior do templo. O padre, logo depois de morrer, ganhou a fama de santo. E a população de Urubici lhe atribui várias graças.

Localização: Rua Policarpo de Souza Costa, 1.176, no centro de Urubici.


Veja também...
Morro do Campestre e Igreja Matriz

Morro do Campestre, Urubici

Os altos da Serra do Campestre são formações rochosas de arenito com altitude de 1.380 metros. Do alto do morro, avista-se quase todo o vale do Rio Canoas. Pode-se ir de carro até certo ponto. E depois, segue-se a pé. Veículos 4x4 vão mais longe.

Morro do Campestre, em Urubici
Morro do Campestre, em Urubici

Localização: os Altos da Serra do Campestre ficam na região oeste de Urubici, a 8 km do centro da cidade. O acesso é feito pela estrada SC 439, no sentido oposto ao do Morro da Igreja.

Veja também...
Morro do Campestre e Igreja Matriz

Inscrições Rupestres, Urubici

Sinais nas rochas, feitos por povos antigos em lugares, presumivelmente, sagrados. Esses povos habitaram a região de Urubici há, pelo menos, 4.000 anos. Destaca-se a imagem perfeita de um rosto, a Máscara do Guardião.

Inscrições Rupestres, em Urubici
Inscrições Rupestres, em Urubici

Urubici possui mais de 80 sítios arqueológicos. E essas inscrições rupestres formam um dos mais importantes registros arqueológicos do Estado de Santa Catarina. É melhor visitar o local no período da tarde.

Localização: Morro do Avencal, a 5 km do centro de Urubici. Fica na Estrada Geral de Urubici a São Joaquim (SC 430).

Veja também...
Cascata do Avencal e Inscrições Rupestres

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Mirante do Avencal, Urubici

O mirante, localizado na margem da rodovia SC 430, oferece uma vista panorâmica da cidade de Urubici. Ele fica a 1.175 metros de altitude. A Igreja Matriz destaca-se por seu formato de cruz.

Igreja Matriz de Urubici Vista do Mirante do Avencal
Igreja Matriz de Urubici Vista do Mirante do Avencal

Localização: Morro do Avencal, a 5 km do centro de Urubici.

Veja também...
Cascata do Avencal e Inscrições Rupestres

Cascata do Avencal, Urubici

A Cascata do Avencal, com 100 metros de queda livre, é uma ótima opção para os adeptos do rapel. O nome avencal deriva de "avenca", vegetação comum na Serra Catarinense

Cascata do Avencal, Urubici
Cascata do Avencal, Urubici

A Cascata do Avencal possui acesso tanto pela parte superior como pela inferior. No primeiro caso, o acesso é feito por uma estrada de terra. Já no segundo, é necessário percorrer uma trilha.

Localização: Morro do Avencal, a 8 km do centro de Urubici. Fica na Estrada Geral de Urubici a São Joaquim (SC 430), no km 34, próximo às Inscrições Rupestres.

Veja também...
Cascata do Avencal e Inscrções Rupestres

 
Free Host | new york lasik surgery | cpa website design