domingo, 30 de setembro de 2012

Aguas Calientes ou Machu Picchu Pueblo [Peru]

Aguas Calientes, também conhecida como Machu Picchu Pueblo, é a porta de entrada para o sítio arqueológico de Machu Picchu. O povoado fica a 6 km da antiga cidade inca.

Aguas Calientes ou Machu Picchu Pueblo, Peru
Aguas Calientes ou Machu Picchu Pueblo
Aguas Calientes, localizada à margem do Rio Urubamba, foi fundada em 1901. Fica na região de Cusco, a 2.040 metros. A população local é de pouco mais de 1.600 pessoas.

O pequeno povoado serve de base para quem pretende explorar Machu Picchu por mais de um dia. Oferece alguns hoteis e restaurantes, além do banhos de água quente, que dão nome ao local.

Machu Picchu e Montanha Huayna Picchu, Peru
Machu Picchu e Montanha Huayna Picchu

Aguas Calientes foi colonizada por família de agricultores. Em 1901, o local  passou a servir de acampamento para os funcionários da estrada de ferro. A estrada de ferro foi concluída em 1931.

O trem é administrado pela Peru Rail e liga Cusco ao povoado de Aguas Calientes. No caminho, passa pela cidade de Ollantataytambo, no Vale Sagrado. A linha é principalmente usada por trabalhadores e turistas.

sábado, 29 de setembro de 2012

Capela de Canincunca, em Cusco [Peru]

A poucos quilômetros da igreja de Huaro, fica a capela de Canincunca. E tal qual a capela de Andahuaylillas, apresenta um típico balcão em seu frontis. No interior, destacam-se os frescos com imagens religiosas. Com grinaldas e flores, apresenta estilo Churriguerresco.

Capela de Canincunca, em Cusco [Peru]
Capela de Canincunca

Da mesma maneira que os templos vizinhos, a capela de Canincunca esteve ao cargo da ordem jesuíta. E os jesuítas foram aplicados evangelizadores de índios. Este grupo de capelas e igrejas pertence ao mesmo encontrado em Chinchero, no Vale Sagrado.

A Igreja de Huaro, em Cusco [Peru]

A igreja de Huaro fica localizada a alguns poucos quilômetros da capela de Andahuaylillas. E foi construída com o mesmo objetivo. Ou seja, catequizar os indígenas e convertê-los ao catolicismo.

A Vida e A Morte, na Igreja de Huaro, Cusco
A Vida e A Morte, na Igreja de Huaro, Cusco

Pouco menor que a capela do povoado vizinho, a igreja de Huaro é um bom exemplo do barroco andino. O que se vê no altar principal, dedicado a São João Batista, nos seis retábulos laterais e na decoração do teto.

Mural na Igreja de Huaro, Cusco
Mural na Igreja de Huaro, Cusco

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Capela de Andahuaylillas, em Cusco [Peru]

Capela do século XVII, conhecida como “Capela Sistina da América do Sul”. Construída sobre fundações incas, quem visualiza sua simples fachada de tijolos nem imagina os tesouros internos...

Esta capela apresenta um amplo átrio, com três cruzes de pedra em frente a uma praça. A nave possui planta quadrada. E, assim como a maioria das igrejas indígenas, tem só um campanário.

Capela de Andahuaylillas, em Cusco
Capela de Andahuaylillas, em Cusco

A capela é conhecida pela original expressão barroca das suas pinturas. As abundantes imagens de santos e de passagens bíblicas são decoradas com cores vivas. Muitas, folheadas a ouro.

Nenhum espaço aparece livre de decoração. Espelhos, colocados em pontos estratégicos, refletem as velas acesas. O teto da capela, assim como o altar de cedro, é folheado a ouro.

Órgão da Capela de Andahuaylillas
Órgão da Capela de Andahuaylillas

Na capela de Andahuaylillas, observa-se o poder da imagem como forma de catequização. As cores vivas e o ouro deviam causar especial assombro nos índios, recém convertidos ao catolicismo.

A capela fica localizada a 45 km de Cusco. Está aberta, de 2ª a sábado, das 8h30 às 12h e das 14h às 17h. E aos domingos, das 8h30 às 10h e das 15h até as 17h.

Tipón, Cusco

Este sítio fica 25 km ao sul de Cusco. E localiza-se numa das vertentes que se alimentam da margem esquerda do sistema Huantanay-Vilcanota. O lado de topografia mais suave foi usado para construir os belos terraços. A estes, está perfeitamente integrado um sistema de canais.

Fonte Cerimonial de Típon, Cusco
Fonte Cerimonial de Típon, Cusco

O sistema de canais, terraços e escadas de pedra era usado em pesquisas agrícolas e culto. A água ali era canalizada através de estruturas de pedra e cascatas, o que mostra o domínio inca da hidráulica. Para muitos, Tipón é o exemplo supremo da engenharia hidráulica inca.

Terraços Agrícolas de Típon, Cusco
Terraços Agrícolas de Típon, Cusco

No sistema de canais, destacam-se os ramais principais. Estes correm junto a ambas as margens da área compreendida pelos terraços. Nos terraços de Tipón, é comum o uso de pedras salientes encaixadas aos muros. As pedras eram usadas como uma espécie de escada.

Canais de Água em Típon, Cusco
Canais de Água em Típon, Cusco

A fonte cerimonial de Tipón caracteriza-se por suas quatro quedas d’água. O número poderia aludir aos quatro irmãos Ayar, fundadores do império. Tais quedas d’água e fontes compõem uma paisagem cultura. E esta expressa a sábia simplicidade da arquitetura e da engenharia inca.

Está aberto todos os dias, das 7h às 18h.

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Pikillacta e Rumicolca, Cusco

Pikillacta fica localizada 25 km ao sul de Cusco. A cidade foi um dos centros administrativos wari. Ali, centralizavam-se as atividades políticas, religiosas e econômicas. Atividades que vinculavam os wari a seus aliados provinciais. O sítio está aberto todos os dias, das 7h às 18h.

Pikkilacta, a "Cidade das Pulgas", em Cusco
Pikkilacta, a "Cidade das Pulgas", em Cusco

Pikillacta ou “Cidade das Pulgas” consiste num impressionante complexo arquitetônico, construído no auge da cultura wari. Esta desenvolveu-se 500 anos antes dos incas. E destacou-se por sua arquitetura com traços ortogonais e características multicomponentes.

Pikillacta destaca a planificação urbana wari. A cidade apresenta desenho ortogonal, dividido por ruas e quadrantes. O traçado geométrico era quase perfeito. Há dezenas de edifícios de barro e pedra de dois andares. Como as paredes eram caiadas de gesso, a cidade era toda branca.

Os wari setorizaram os ambientes - aposentos residenciais, depósitos, altares - magistralmente. Por vezes, eram interligados por um complexo sistema de pátios, praças e corredores. Mais tarde, os incas instalaram dois imponentes portões – chamados Rumicolca – ali perto. 

Urubamba, Vale Sagrado Inca [Peru]

Urubamba, em quéchua "terra plana das aranhas", dista 72 km de Cusco. Este pequeno povoado, com cerca de 2.700 habitantes, localiza-se junto ao Rio Urubamba, a 2.870 metros de altura.

Vale do Rio Urubamba, Visto de Pisac
Vale do Rio Urubamba, Visto de Pisac

Urubamba é o maior povoado da região de Cusco conhecida como Vale Sagrado. O local fica próximo de diversos sítios arqueológicos incas. Mas Urubamba em si não têm muitos atrativos...

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

The Beatles - Abbey Road (1969)

"Abbey Road", lançado dia 26 de setembro de 1969, foi o último disco a ser gravado pelos Beatles. "Let it Be" foi gravado antesapesar de ter sido lançado depois...

Capa do Disco Abbey Road, dos Beatles
Capa do Disco Abbey Road, dos Beatles

"Abbey Road" costuma ser negligenciado nas pesquisas de melhor disco dos Beatles. O technicolor "Sgt. Pepper's" e o mais obscuro e menos ortodoxo "Revolver", em geral, são mais lembrados...

Na verdade, "Abbey Road" é uma coleção imprevisível de músicas e de fragmentos de músicas. É um álbum inovador e repleto de reviravoltas emocionais. Graças ao caos do fim da banda...


Apesar das diferenças fundamentais entres eles, McCartney e Lennon ainda eram capazes de compor material combustível. E George Harrison havia se tornado um compositor para ser levado a sério...

Por muito tempo considerado um Beatle menor, George Harrison deixa sua marca em "Abbey Road". São dele "Something" e "Here Comes the Sun", mais doce que as canções de Lennon e McCartney.


Mas é a ácida crônica social de Paul McCartney e John Lennon que torna "Abbey Road" um álbum essencial. Um álbum com um quê de vingança.

Há o rock sexual de "Come Together" e o monstro psicodélico "I Want You (She's so Heavy)", marcado pelo ágil baixo de McCartney. E a suíte que ocupa o lado B, amada e odiada pelos fãs na mesma medida.


"Sun King" é uma dose musical de LSD. "Golden Slumbers" é um épico sob a forma de uma canção de ninar. E "The End" é uma profética mostra de virtuosismo na qual todos fazem um solo. Até Ringo.

Para saber mais sobre o álbum "Abbey Road".



terça-feira, 25 de setembro de 2012

Caminhada pelo Povoado de Ollantaytambo e Jantar no Mayupata

Ao deixarmos o sítio arqueológico de Ollantaytambo, o Bernarbeu seguiu de volta a Cusco. O Rualdo, o Roberto e eu fomos para o hotel. Combinamos de nos encontrar dentro de uns 45 minutos para circular pela cidade. Foi o tempo de tomar um banho rápido e revigorar as energias...

Uma das Belas Ruas do Povoado de Ollantaytambo
Uma das Belas Ruas do Povoado de Ollantaytambo

Deixamos o sítio arqueológico, por volta das 17h15. Iniciamos a caminhada em torno de 18h30. Estava começando a anoitecer. E a paisagem da cidade neste momento fez com que eu lamentasse não poder ficar mais tempo por ali. A simpática cidade merecia ser mais bem explorada...


Duas coisas chamam imediatamente a atenção. A primeira são os muros e o calçamento da cidade, heranças do Império Inca. A segunda, e diretamente relacionada, é o sistema de canais que escoa a água ao longo das ruas. Se somarmos isso à tênue iluminação local, o cenário torna-se encantador!

Água Canalizada em Ollantaytambo
Água Canalizada em Ollantaytambo

Percorremos algumas ruas e retornamos a um ponto mais central. Eu havia lido sobre o restaurante Mayupata no guia da Folha de São Paulo. Ele ficava ao lado do córrego que cortava o povoado de Ollantaytambo. Acompanhando o córrego, chegava-se ao hotel...

Flores Vistas em Caminhada Noturna pelas Ruas de Ollantaytambo
Flores Vistas em Caminhada Noturna
pelas Ruas de Ollantaytambo

Combinei com o Roberto e o Rualdo de encontrá-los no Mayupata. Eu só iria passar primeiro no hotel para ver se a minha mãe gostaria de jantar. Ao chegar ao hotel ela já estava pronta. Seguimos direto para o restaurante. O Rualdo e o Roberto estavam mesmo começando a degustar a entrada...

Eles haviam pedido uma truta enrolada como entrada. Nunca havia comido algo parecido! Eu tomei duas limonadas. Minha mãe e eu pedimos um caldo de um tipo de abóbora, com cor de ervilha. À noite, quase não dormi, pela distensão abdominal. Só devia ter tomado uma limonada...

Canal de Água, em Rua de Ollantaytambo
Canal de Água, em Rua de Ollantaytambo

Apesar do incômodo para dormir, este jantar em Ollantaytambo foi uma das melhores refeições da viagem. Tão bem assim, só comemos em Lima...

Ollantaytambo é, na verdade, um lugar para se passar, ao menos, um dia inteiro. Talvez, uma solução seria passar uma noite em Pisac e a outra em Ollantaytambo. Assim, poderíamos explorar melhor estes povoados durante o dia. E observar a Via Láctea, à noite...


Contabilidade do Dia
Restaurante Mayupata – Ollantaytambo = 27,50 solis

Sítio Arqueológico de Ollantaytambo

A viagem ao Peru foi excelente! Lima e Ollantaytambo foram duas ótimas surpresas. Que cidades, que lugares! Apenas lamento termos ficado tão pouco tempo. Principalmente, em Ollantaytambo. Esta simpática cidade mereceria ser mais bem explorada...

Escadaria no Sítio Arqueológico de Ollantaytambo

Deixamos Cusco pela manhã, rumo a Ollantaytambo. Seguimos ao longo do Vale Sagrado, parando em alguns lugares. Conhecemos a feira de C’orao. E fizemos a trilha do sítio arqueológico até o povoado de Pisac. Dali, partimos para Urubamba, onde almoçamos.



De Urubamba seguimos para Ollantaytambo, onde passaríamos a noite. Se em Pisac, apenas metade do grupo enfrentou a trilha, desta vez, o coro era ainda menor. Apenas o Roberto e eu encaramos a escadaria que passa em meio aos terraços de Ollantaytambo...

Montanha em Frente aos Terraços Agrícolas
do Sítio Arqueológico de Ollantaytambo

Na verdade, não fomos só o Roberto e eu que encaramos a parada! Os guias, Rualdo e Bernarbeu, nos fizeram companhia. O Rualdo com o seu conhecimento geológico. O Bernarbeu com o seu conhecimento histórico. Quer dizer, a breve expedição pelo local foi deveras produtiva...

# Ollantaytambo é a única cidade inca ainda habitada. E é também a cidade mais longeva das Américas.

Terraços Agrícolas de Ollantaytambo

# O general Ollantay era considerado o braço direito de Pachacutec, o mais importante Inca. Pachacutec buscava por três poderes:
+ Munay – poder do amor ou do afeto;
+ Llankai – poder criativo de trabalho (obras que perduram);
+ Yanchai – poder do conhecimento ou da sabedoria: astrônomos. Homens sábios (amautas). As mulheres sábias eram chamadas mamaconas.


# A sociedade inca era dividida em nobreza e povo. Os panacas eram os nobres. E ayllu era a comunidade ou casa. O equivalente de ecos (ecologia). Os ayllus tinham um cacique;

Encaixe em Pedra de Ollantaytambo

# A montanha em frente à fortaleza de Ollantaytambo era, possivelmente, um celeiro, depósito de alimentos. O suposto celeiro é chamado Tunupa. Ele lembra uma espécie de coroa real. A Tunupa era também a figura mística que guardava ou protegia os alimentos.

Close do Suposto Celeiro ou Tunupa

# E na extremidade esquerda desta montanha, ao alto, há uma figura que lembra a cabeça de um lobo. O sol passa exatamente por ali no dia 21 de junho! No dia do solstício de inverno...

Cabeça de Lobo na Montanha de Ollantaytambo

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Ollantaytambo, Vale Sagrado Inca [Peru]

Ollantaytambo fica a 97 km de Cusco. É uma autêntica cidade inca. E o seu sítio arqueológico é o mais importante desta parte do Vale Sagrado. Esta cidade pode ser dividida em um setor religioso e outro urbano.

Montanha em Frente aos Terraços de Ollantaytambo
Montanha em Frente aos Terraços
de Ollantaytambo

Em Ollantaytambo a resistência inca, liderada por Manco Inca, derrotou as forças espanholas. Esta foi a maior vitória inca sobre os espanhóis, que acabaram a reconquistando a cidade em 1537.

Terraços Agrícolas de Ollantaytambo
Terraços Agrícolas de Ollantaytambo

A vitória ínca e a impressionante construção dos muros deram ao local a fama de fortaleza. Mas uma melhor análise da arquitetura e dos objetos encontrados caracteriza o local como um centro de culto religioso.

No setor religioso, destacam-se terraços, ao longo do morro que domina esta parte do vale. Observe o Salão Real e as Termas da Princesa. O acesso ao setor cerimonial é feito por uma porta trapezoidal.

Monólitos do Templo do Sol, em  Ollantaytambo, no Vale Sagrado
Monólitos do Templo do Sol, em
Ollantaytambo, no Vale Sagrado

O Templo do Sol é composto por seis monólitos. Cada um deles pesa cerca de cem toneladas. Não deixe de conferir a Intihuatana, pedra usada para se traçar a trajetória do sol.

O acesso à parte alta do sítio é feito por uma escada, em meio aos terraços. De acordo com os historiadores, nos terraços, eram cultivadas flores das mais diversas cores.

Roupas Típicas de Ollantaytambo
Roupas Típicas de Ollantaytambo

O setor urbano de Ollantaytambo foi fundado, assim como Cusco, sobre uma importante vila inca. A formidável e bem conservada arquitetura, fazem deste sítio um dos locais mais visitados do Vale Sagrado.

O povoado fica junto a um afluente da margem direita do Urubamba. Destacam-se ali o desenho octogonal de suas ruas e o calçamento de pedra. Não deixe de conferir esse engenhoso desenho das ruas.

Sítio Arqueológico de Ollantaytambo
Sítio Arqueológico de Ollantaytambo

Ollantaytambo manteve os nomes originais das ruas, o traçado urbano, o sistema de irrigação e as casas. A água escorre das casas e segue por um sistema de canais.

Ollantaytambo foi erguida por Pachacútec, o 9º Inca. O nome é referência ao general Ollanta, que se apaixonou, pela filha do Inca. Forçado a fugir da cidade, ele uniu-se à amada só após a morte de Pachacútec.

Terraços Incas de Ollantaytambo
Ollantaytambo: Terraços Incas

Salinas de Maras, Vale Sagrado Inca [Peru]

As Salinas de Maras ficam perto de Moray. Ali, a água salgada é canalizada, ao longo de terraços, e posta para evaporar ao sol. E isso cria um contraste entre o branco do sal e o marrom da montanha. Ao todo, são cerca de três mil poços de sal dispersos nestes terraços.

Salinas de Maras, no Vale Sagrado
Salinas de Maras, no Vale Sagrado

domingo, 23 de setembro de 2012

Moray, Vale Sagrado Inca [Peru]

Em Moray, os incas construíram sistemas de terraços de quase 2 metros de altura. Os incas aproveitaram as peculiaridades do relevo local e criaram em Moray desníveis de até 150 metros.

Terraços de Moray, no Vale Sagrado
Terraços de Moray, no Vale Sagrado

Os desníveis, combinados às condições de irradiação solar e umidade locais, permitiam variações de temperatura de mais de 15 graus entre os terraços superiores e inferiores.

Por tudo isso, Moray provavelmente tenha sido um laboratório agrícola inca. Ali eram replicadas as condições ambientais de diversas partes do Império Inca. E em seus terraços elípticos, os incas testavam as melhores condições para o cultivo de cereais e legumes.

Moray fica a cerca de 50 km de Cusco. O sítio arqueológico fica aberto à visitação, diariamente, das 7h30 às 17h. 

Trilha pelas Ruínas Arqueológicas de Pisac, no Vale Sagrado Inca

Ao chegar a Pisac, deparamos-nos com um mirante. Além da bela vista do Vale do Urubamba, dali podíamos contemplar os terraços agrícolas do sítio arqueológico. Fomos ao ponto mais alto de Pisac, onde encontramos outros atrativos...

Os Terraços Agrícolas de Pisac
Close dos Terraços Agrícolas de Pisac

Construção de Adobe com Telhado de Palha
Construção de Adobe com Telhado de Palha


Chamaram a atenção as construções de adobe com telhado de palha. E principalmente os cemitérios profanados de Pisac! Estes são identificados pelos buracos vistos nos morros. Os profanadores buscavam riqueza fácil na forma de metais preciosos enterrados junto com os mortos...

Cemitérios Profanados de Pisac
Cemitérios Profanados de Pisac


Vale Sagrado Visto de Pisac
Vale Sagrado Visto de Pisac

Por volta das 11h30, o grupo se dividiu. Uma parte seguiu pela trilha até Pisac. Outra parte seguiu para lá de carro. Acompanhei os que fizeram a trilha. E a principal vista, no primeiro trecho, são os terraços. Já o Vale do Urubamba é o “pano de fundo” ao longo de toda a trilha...


Ruínas Vistas na Trilha de Pisac
Ruínas Vistas na Trilha de Pisac

Logo no início da trilha, você passará também por um pequeno túnel. O Q’alla Q’asa. Tal qual Machu Picchu, Pisac possui um Templo do Sol, com o seu Intihuatana, a pedra que “prende o sol”. Este templo é uma das últimas construções. Depois, é quase só trilha no descampado...

Templo do Sol e Intihuatana de Pisac
Templo do Sol e Intihuatana de Pisac


Ao longo da trilha, um peruano tentou nos vender uma hematita. A pedra preta, de ferro, era usada pelos romanos para escrever. Esta o João, nosso colega filósofo, iria gostar! Continuamos a descida. Por volta das 13h30, chegamos à feira de Pisac. E seguimos direto para Urubamba, onde almoçamos...

Sítio Arqueológico de Pisac
Sítio Arqueológico de Pisac

Hematita, a Pedra Preta Vista em Pisac
Hematita, a Pedra Preta Vista em Pisac

Feira de Pisac, no Vale Sagrado
Feira de Pisac, no Vale Sagrado

Contabilidade do Dia
Restaurante Inka's House – Urubamba = 35 solis

sábado, 22 de setembro de 2012

Pisac e O Condor de los Andes

Depois da breve parada no mirante e apreciação do Vale do Urubamba, o nosso destino foi Pisac. E uma das coisas mais interessantes para se fazer ali é percorrer a trilha entre as ruínas e o povoado. Talvez, essa a melhor maneira de explorar o sítio arqueológico. Foi o que fizemos...

Pisac, Sítio Arqueológico no Vale do Urubamba
Pisac, Sítio Arqueológico no Vale do Urubamba

Pisac: Nome Deriva de Ave Semelhante ao Condor
Pisac: Nome Deriva de Ave Semelhante ao Condor

Pisac - pronuncia-se Pí – Sác, teve seu nome derivado de Qpisaca, uma ave semelhante ao condor. Com o tempo, o nome foi reduzido a Pisac. O condor era um dos três animais considerados sagrados pelos incas. Os outros dois eram o puma e a serpente.

Sítio Arqueológico de Pisac, Vale Sagrado
Sítio Arqueológico de Pisac, Vale Sagrado

A serpente, pela relação com a terra, representava o mundo dos mortos. Também representava a inteligência e a sabedoria. O puma representava o mundo humano. Era uma referência, também, à força dos incas. E o condor aos deuses. O Sol se comunicava com o Deus supremo.

Ruínas de Pisac, no Vale Sagrado
Ruínas de Pisac, no Vale Sagrado

Só para concluir a questão referente ao condor, deixo uma curiosidade. Um atleta peruano, conhecido como “Condor de los Andes” percorreu toda a Trilha Inca em apenas 4 horas. O normal é fazer essa trilha em 4 dias. Este atleta realizou a proeza em 1989 ou 1990...

Pisac: Vista do Vale Sagrado
Pisac: Vista do Vale Sagrado

Pisac, Vale Sagrado Inca [Peru]

O roteiro ao longo do Rio Urubamba reserva paisagens deslumbrantes. As cultivares, nas costas, renovam-se a cada curva. E, ao fundo, visualizam-se os imponentes picos nevados dos Andes. Então, você encontrará pequenas vilas que ainda simbolizam a prosperidade andina.

Pisac: Terraços Agrícolas
Pisac: Terraços Agrícolas

Construções Incas de Pisac
Construções Incas de Pisac

O complexo arquitetônico de Pisac fica 32 km ao norte de Cusco. Localiza-se na parte alta do povoado de mesmo nome. Pisac fica na margem direita do Urubamba. É um complexo conjunto de habitações, terraços de cultivo e cemitérios, construídos sobre as encostas dos morros.


Pisac: Sítio Arqueológico, no Vale Sagrado
Pisac: Sítio Arqueológico, no Vale Sagrado

Não deixe de ir ao mercado de Pisac, aberto terças, quartas e domingos. As extensas ruínas do pequeno vilarejo também são visita obrigatória. São as ruínas incas mais significativas depois das de Ollantaytambo.

Roupas Típicas de Pisac
Roupas Típicas de Pisac

Construção de Pisac, no Vale Sagrado
Construção de Pisac, no Vale Sagrado

O trabalho de mamposteria visto em Pisac é considerado o mais perfeito de toda a arquitetura inca. O conjunto inclui templos, observatórios, terraços de cultivo e caminhos. Na construção foi usado o granito rosado.


O elemento central é o Templo do Sol, um observatório astronômico, que se caracteriza por sua parede em formato semicircular. Outros destaques são o Templo da Lua, complexo de termas cerimoniais. O Intihuatana, recinto sagrado por excelência, traça os movimentos do sol.

Pisac - Terraços de Cultivo
Pisac - Terraços de Cultivo

Pisac: Sítio Arqueológico Inca
Pisac: Sítio Arqueológico Inca

Funciona diariamente, das 7h às 17h30. 

Veja também...
Pisac e O Condor
Trilha pelas Ruínas de Pisac

 
Free Host | new york lasik surgery | cpa website design